Saiba mais sobre os autores homenageados da 7ª FliPiri

A 7ª edição da Festa Literária de Pirenópolis acontecerá entre os 28 de outubro e 01 de novembro e, enquanto a programação do evento não é divulgada, tentaremos saciar um pouco a ansiedade de todos ao comentar sobre os quatro autores homenageados da Festa.

José J. Veiga, Eli Brasiliense, Bernardo Élis e Carmo Bernardes, além de serem escritores goianos, possuem outro fator em comum, todos eles nasceram em 1915, ou seja, todos eles completariam 100 anos de idade em 2015.

Abaixo comentamos um pouco sobre cada um desses incríveis autores.

 

 

José J. Veiga

Saiba mais sobre os autores homenageados da 7ª FliPiri

Embora exista controvérsia, inclusive da parte do próprio autor, J. Veiga é considerado um dos grandes nomes do realismo fantástico brasileiro. Suas narrativas são repletas de críticas políticas e sociais, sempre muito bem maquiadas entre suas linhas ásperas. As obras de José J. Veiga são capazes de agradar a gostos distintos e se você ainda não conhece suas histórias, a hora é essa! Em homenagem ao centenário do autor, a editora Companhia das Letras relançará seus maiores clássicos, entre eles a coletânea de contos Os Cavalinhos de Platiplanto e A Hora dos Ruminantes.

 

 

Eli Brasiliense

Saiba mais sobre os autores homenageados da 7ª FliPiri

Nasceu em Porto Nacional, hoje Tocantis, mas na época ainda era Goiás. Contudo, foi em Goiânia que o autor fez sua vida. Consolidou sua carreira, casou-se, teve filhos e chegou a ser presidente da Academia Goiana de Letras.  A escrita de Eli Brasiliense é bastante regional, “Eli usava a literatura como forma de sensibilizar os formadores de opinião da época na tentativa de levar um olhar mais humano e menos capitalista ao já sofrido povo”, afirma Antônio Coelho de Carvalho.

Entre suas obras mais importantes estão Pium e Chão Vermelho.

 

 

Bernardo Élis Fleury de Campos Curado

Saiba mais sobre os autores homenageados da 7ª FliPiri

Contista e romancista, Élis fez uso intenso da linguagem regional, sabia muito bem reproduzir nas páginas a vida rural do interior do Cerrado. Foi o primeiro (e único) goiano a integrar a Academia Brasileira de Letras. Além de escritor, ele também era advogado e professor, sendo esta última atividade uma das mais executadas. Bernardo Élis foi cofundador, vice-presidente e professor do Centro de Estudos Brasileiros da Universidade Federal de Goiás, também exerceu o magistério na Pontifícia Universidade Católica de Goiás na área de Literatura. O autor acumula muitos prêmios em sua carreira literária, inclusive um Prêmio Jabuti, o mais importante na Literatura Brasileira.

Entre suas obras mais marcantes está O Tronco, publicado em 1956 e adaptado para os cinemas pelo cineasta João Batista de Andrade em 1999.

 

 

Carmo Bernardes da Costa

Saiba mais sobre os autores homenageados da 7ª FliPiri

Originalmente de Patos de Minas, Carmo Bernardes radicou-se ainda muito jovem em Goiás. Foi contista, romancista, cronista, crítico de arte e grande representante do regionalismo brasileiro. Foi Conselheiro da Fundação Inca e representante no I Encontro Nacional sobre a Proteção e Melhoria do Meio Ambiente e na Primeira Conferência Nacional. Sendo um ativo defensor do Cerrado o autor foi um dos nomes mais expressivos da literatura sobre o ele. Era doutor em Sertão e Cerrado, “ele conseguiu fazer uma literatura que não está apenas escrita, mas também vivida”.

Suas principais obras são: Jurubatuba, A Ressurreição de um Caçador de Gatos e Quarto Crescente.

 

 

Gostaram? Então fiquem de olho para mais informações sobre a maior Festa Literária de Goiás!

Deixe seu comentário!